sexta-feira, 24 de outubro de 2014

FERROVIAS ABANDONADAS PELO PSDB, SUA CONSTRUÇÃO É DESTAQUE COM DILMA




Abandonadas por tucanos, ferrovias são destaque no governo Dilma

"O programa de TV da candidata Dilma Rousseff de quarta-feira (22) apontou os investimentos em infraestrutura que estão em andamento, com destaque para as obras de ferrovias, hidrovias, rodovias e portos que cortam todo o Brasil.

Ao longo desta campanha, provamos que o Brasil de hoje é muito mais forte do que aquele de anos atrás. Mesmo enfrentando uma grave crise internacional, preservamos os salários, geramos mais de 5 milhões de empregos e alcançamos as menores taxas de desemprego da nossa história”, frisou a presidenta Dilma, lembrando que o país, quando governado pelos tucanos, ficou década sem investimentos em infraestrutura.

O campo vive uma nova fase de prosperidade. Dentre as medidas promovidas pelos governos de Lula e Dilma, estão os recursos do Plano Safra, que não chegavam a R$ 21 bilhões entre 2002 e 2003 Saltaram para R$ 156 bilhões. Mais de R$ 700 milhões para o seguro-agrícola e a aprovação, sancionada por Dilma, do novo Código Florestal, garantindo segurança jurídica para o setor.

O resultado dessas e outras ações foi o aumento da produção agrícola que, de 97 milhões, subiu para 193 milhões de toneladas, um recorde. O programa mostrou que o governo federal investe pesado para ampliar de modo transformador as rodovias, portos, hidrovias e, principalmente, as ferrovias, para garantir o escoamento dessa produção agrícola.

Abandonadas pelo governo FHC/PSDB, as ferrovias ganharam destaque nos governos Lula e Dilma como a Ferronorte, que liga as cidades do Alto do Araguaia a Rondonópolis (Mato Grosso), onde foi construído o maior complexo intermodal da América Latina, com 380 hectares de área, equivalente a 900 campos de futebol. Cada vagão carregado nos trilhos da Ferronorte equivale a três carretas que antes circulavam pelas rodovias.

A Ferrovia Norte e Sul, que liga o Maranhão a Goiás, já tem 1574 quilômetros concluídos e fez surgir grandes estruturas ao redor, como Porto Seco e o terminal intermodal de cargas de Anápolis. Diante dos benefícios para a economia, fazendo com que a produção chegue mais rápido aos portos, desafogando os atuais portos, como o de Santos, por exemplo, o governo decidiu ampliar a ferrovia Norte-Sul, estendendo a linha do Pará ao Rio Grande do Sul.

Já estamos avançando e criando infraestrutura logística que o Brasil precisa e merece”, pontuou a presidenta Dilma.

Assista ao programa na íntegra:




FONTE: do portal "Vermelho"  (http://www.vermelho.org.br/noticia/251915-1).

COMPLEMENTAÇÃO

Obras da Ferrovia Transnordestina atraem trabalhadores de outros estados


"As obras dos três novos trechos da Ferrovia Transnordestina no Ceará abrirão cerca de 2,4 mil postos de trabalho e, por isso, já estão atraindo a atenção de muita gente da região e também de outras partes do país. 


É o caso do motorista de caminhão Manoel Marcelo da Cunha, de Itajá (RN). Ele recebeu um convite para trabalhar na Transnordestina depois de participar da obra do aeroporto de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte.



Manoel da Cunha trabalhou como caminhoneiro na construção de aeroporto no Rio Grande do Norte e agora está no Ceará para a obra da ferrovia Transnordestina.

Meu contrato estava para acabar, a obra também, mas aí recebi um convite para trabalhar aqui na Transnordestina. Fiquei muito feliz”, conta Manoel. Ele diz que compensa a saudade e a distância da esposa e do filho, que ficaram em Itajá, com muitos planos para o futuro. “Vou juntar um dinheiro para conseguir comprar um carrinho e poder colocar meu filho de seis anos num bom colégio quando ele crescer.

A divulgação das oportunidades de emprego é feita em cada localidade em que há obra. Segundo Renan Carvalho, diretor de infraestrutura da empreiteira contratada para construção dos trechos, trabalhadores que atuaram em outros empreendimentos também são aproveitados. “Nesta obra do Ceará, tem trabalhadores que atuavam nas obras do porto do Pecém e do Cinturão das Águas, por exemplo.”

A Trasnordestina conta também com muitos trabalhadores que vivem nos municípios próximos. No caso dos trechos iniciados recentemente no Ceará, muitas vagas serão ocupadas por moradores de Aurora, Lavras da Mangueira, Missão Velha, Icó, Cedro e Iguatu. Quando estiver completa, a ferrovia passará por 29 municípios dos estados de Pernambuco, Ceará e Piauí. Atualmente, emprega cerca de 3 mil pessoas nos trechos que estão em construção no Piauí e em Pernambuco".


FONTE da complementação: do PAC. Publicado no Blog do Planalto  (http://blog.planalto.gov.br/obras-da-ferrovia-transnordestina-atraem-trabalhadores-de-outros-estados/).

3 comentários:

Unknown disse...

Nem 1000 km de ferrovias em 4 anos. Tentando empurrar pro Brnjamin Stanbruck fazer. O mais triste é ter de votar nesta mulher pq o projeto do outro lado é bem pior, coitado do meu Brasil...

Unknown disse...

Governantes: - A privada no Brasil só tem e só serve a utilização prosaica nos banheiros...esperar por esta raça é perda de tempo

Tereza Braga disse...

Ao Unknown,
Em termos de quilometragem, FHC/PSDB ganha, pois, apesar de nada terem feito, destruíram, desativaram, mais de 1000 Km de ferrovias em quatro anos.
Maria Tereza