terça-feira, 27 de dezembro de 2011

PETROBRÁS NÃO SENTIRÁ EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA, diz Gabrielli

Edifício sede da Petrobras no RJ

Gabrielli: PETROBRÁS NÃO SENTIRÁ EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA


“O presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, declarou que a atual crise financeira não afeta a indústria do petróleo e a Petrobras. Em reunião entre os diretores da empresa e jornalistas, na semana passada, no Rio, ele disse que “a maioria das empresas de petróleo do mundo está aumentando os investimentos para 2012”.

Ele lembrou que, apesar da crise, a demanda absoluta por combustíveis está crescendo no mundo. Embora o mercado de derivados de petróleo tenha diminuído em países europeus, nos Estados Unidos e no Japão, o crescimento dos mercados chinês, indiano, latino-americano (incluindo o Brasil) e africano tem compensado essa diminuição e aumentado a demanda mundial total.

Não podemos negar a existência de crise financeira nos principais centros financeiros desenvolvidos no mundo. Mas hoje fica clara essa dicotomia entre a indústria de petróleo e a demanda que essa indústria recebe, de maneira consistente, e o restante da economia”, complementou o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Companhia, Almir Barbassa.

A venda de gasolina no mercado interno cresceu 23,2% até novembro deste ano, na comparação com 2010. O mercado brasileiro total de derivados líquidos cresceu, no mesmo período, 11%, anunciou o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

O crescimento na venda de gasolina em 2010 foi de 18% em relação a 2009. Este ano, até novembro, o crescimento da demanda por esse derivado foi de 23,2% em relação ao ano anterior. “Quando falamos esse número em seminários fora do Brasil, ninguém acredita, acham que é 2,3% e não 23%”, comentou o diretor.

As vendas de diesel cresceram 9,3% este ano em relação a 2010. E a demanda de gás natural em 2011, no segmento industrial, foi de 40 milhões de m3/dia e a previsão é crescer 4% no próximo ano.

MAIS CONFORTO

Barbassa explicou, também, que, de acordo com o ‘Plano de Negócios 2011-2015’ (US$ 224,7 bilhões), a Companhia precisa captar entre US$ 7 bilhões e US$ 12 bilhões por ano, em média, para realizar os investimentos previstos. “Quando incluímos as amortizações (nessa conta), a necessidade é captar entre US$ 12 bilhões e US$ 18 bilhões anualmente. Captamos, portanto, volume que nos dá mais conforto para implementar o plano”.

Segundo ele, o mercado de capitais doméstico também teve participação nessas captações. “Estamos, no Brasil, caminhando na direção certa, diminuindo a taxa de juros, tornando esse mercado mais acessível, mais conveniente e mais atrativo”.

SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR

Trabalhadores da Petrobras que estejam na frente operacional têm autorização e a recomendação de parar a produção de petróleo ou a perfuração de poços quando houver mínimo risco à segurança, garante o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella. “Isso distingue a Petrobras entre muitas empresas de petróleo no mundo”, explicou.

Não nos preocupamos com o tempo de duração de perfuração do poço. É claro que, com procedimentos mais rígidos, a perfuração do poço pode levar mais tempo. Mas não há nada mais importante para nós do que a segurança”, afirmou o diretor.

A empresa vem, desde sempre, insistindo e investindo na prevenção (de acidentes). No ano passado, criamos uma gerência executiva de construção de poços marítimos. A prevenção, com a análise de risco, vem desde a concepção do projeto de poço”, ressaltou o diretor.

Estrella também lembrou que a Companhia assinou termo de compromisso com a Agência Nacional de Petróleo (ANP) para propiciar condições de verificação e fiscalização in loco de todas as unidades da Petrobras ao longo de 2011.”

FONTE: publicado no portal “Vermelho” com informações da Petrobras  (http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=171919&id_secao=2) [imagens do Google adicionadas por este blog ‘democracia&política’].

4 comentários:

Probus disse...

PRATELEIRA já!!!!

Marinha compra os Navios-Patrulha Oceânicos (NPaOc) da BAE

27 de dezembro de 2011, em Marinha do Brasil

Por Galante

Mais um “furo” do Poder Naval: saiu hoje no Diário Oficial da União (Seção 3, Pág. 22):

DIRETORIA-GERAL DO MATERIAL

DIRETORIA DE ENGENHARIA NAVAL

EXTRATO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO

Processo No- 63007.004873/2011-11 – TJIL No- 09/2011; Objeto: Obtenção por aquisição de oportunidade de três Navios-Patrulha Oceânicos (NPaOc) e fornecimentos complementares (pacotes de munição, sobressalentes, treinamento e documentação), junto à empresa BAE Systems Surface Ships International Limited (BAE SSSI), para atuar, a partir de 2012/2013, no patrulhamento costeiro, proteção de plataformas petrolíferas e proteção e fiscalização de outras atividades desenvolvidas na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) brasileira. Valor: £ 133.800.000,00 (R$ 387.203.820,00); Enquadramento: Art. 25, caput, da Lei No- 8.666/1993. Processo Autorizado por DAS-102-2 HERALDO MESSEDER DE SOUZA, Ordenador de Despesa; Ratificação: C Alte (EN) FRANCISCO ROBERTO PORTELLA DEIANA em 23/12/2011, nos termos do art. 26 da Lei No- 8.666/1993.

http://www.naval.com.br/blog/2011/12/27/marinha-compra-os-navios-patrulha-oceanicos-npaoc-da-bae/#axzz1hlCCllez

Política disse...

Probus,
Boa notícia. Eu não sabia. "Furo de reportagem" seu. Qualquer melhoria nas FFAA é boa. A Marinha o Exército e a Aeronáutica estão irresponsavelmente fracos em relação ao patrimônio que o Brasil deve proteger (e dissuadir os "olho grandes"). Para percebermos mais facilmente essa fraqueza, basta comparar nossas FFAA com as de países de portes semelhantes, como a Índia e a China.
Maria Tereza

Probus disse...

Êita, mas o Furo de Reportagem é do Poder Naval...
E é como você diz mesmo Maria Tereza: Qualquer melhoria, seja mínima, já é alguma coisa, quanto mais TRÊS Navios-Patrulha Oceânicos pra ATIVA, IMEDIATA.

E virão mais 4 Type 22 usadas e modernizadas, três para a ATIVA e uma para depenar. Só espero que o Celso Amorim continue com o Prosuper, independente das "Compras de Oportunidade", lembra???

"...O negócio em andamento com a Bae Systems pode incluir quatro fragatas usadas Type 22 Série 3, recentemente desativadas pela marinha inglesa. Modernas e tecnologicamente revitalizadas, permitiriam a desativação dos equipamentos mais antigos da esquadra brasileira. Do grupo, três entrariam em ação quase imediata. A quarta fragata seria mantida como banco de peças, partes e componentes".

Espero também que as compras e acordo com os PIRATAS GENOCIDAS INGLESES se encerre por aí, o CHILE, hoje, PROIBIU barcos com bandeira das Malvinas aportarem em seu portos.

PROSUPER (11 embarcações) = Cinco Fragatas de 6 mil toneladas, Cinco Navios Escoltas de 1.800 a 2 mil toneladas e um super Navio de Apoio de 22 mil toneladas (capaz de transportar a qualquer distância todo tipo de suprimentos necessários às operações da Marinha).

P.S. Tomara que esses navios INGLESES façam parte da Esquadra SUL que fiscalizará e vigiará os PIRATAS INGLESES das MALVINAS ARGENTINAS. Quá quá quá quá

Probus disse...

E tem MalVINAS e MalVINDAS...

Presidente argentina tem câncer na tireóide; não há metástase

27/12/2011

BUENOS AIRES (Reuters) - A presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, será submetida a uma cirurgia contra um câncer na tireóide em janeiro, disse um porta-voz do governo nesta terça-feira.

Não há metástase, afirmou o porta-voz em entrevista coletiva.

(Reportagem de Hugh Bronstein)