quarta-feira, 2 de setembro de 2015

PETROBRAS JÁ PRODUZ UM MILHÃO DE BARRIS POR DIA NO PRÉ-SAL!




Um milhão de barris por dia! O pré-sal já chegou lá, apesar dos urubus

Por FERNANDO BRITO

"Não tem manchete para registrar.

Muito pouca gente escreveu que estava para acontecer, apesar de estar diante dos olhos de todos, como mostrou este "Tijolaço" há um mês.

Mas assim, quase em silêncio e com muito trabalho e capacidade técnica, a Petrobras chegou à marca de um milhão de barris de petróleo e gás na camada pré-sal do nosso leito marinho, nas contas fechadas para o mês de julho.

Exatos 1,0041 milhão de barris na medição do “óleo equivalente” – que considera a capacidade energética do gás natural que vem associado ao petróleo.

Foram 812,1 mil barris diários, em média, de petróleo e 30,5 milhões de m³ de gás.

Em julho do ano passado, eram 480,8 mil barris/dia de petróleo e 16,2 milhões de metros cúbicos de gás natural, equivalentes, no total, a 582 mil barris diários.

69% a mais de petróleo; 88% a mais de gás natural e, na soma dos dois, um crescimento de 72,3% em apenas um ano.

E isso não tem [ainda] óleo nem de "Libra", nem de "Beija-Flor" (antes chamado de "Franco") os dois megacampos em desenvolvimento.

Não existe, em todo o mundo, nenhuma área de extração de petróleo em que a produção cresça nesses volumes e nessas taxas.
É disso que vamos “aliviar” a Petrobras?
São esses os investimentos que devemos cortar "para melhorar o “fluxo de caixa”?

Até mesmo o endividamento da empresa – necessário para o volume de investimento exigido na epopeia do pré-sal – tem de ser considerado levando em conta a perspectiva de gigantescas quantidades de óleo que o pré-sal, todo dia, vem provando que possui.

É preciso ser muito tolo para dizer que “há dúvidas sobre a viabilidade do pré-sal”.

Tolo ou traidor de sua pátria e de seu povo."

FONTE: escrito por FERNANDO BRITO em seu blog "Tijolaço" (http://tijolaco.com.br/blog/?p=29364).

BONECO INFLADO É HOMENAGEM A LULA PELA SUA PRISÃO NA LUTA CONTRA A DITADURA




"Lula rebate boneco calunioso com resgate da sua luta contra a ditadura
Na terça-feira (1º/9), em sua página no Facebook, o ex-presidente Lula rebateu os grupos direitistas que desfilam com um boneco inflável remendado pelas ruas de São Paulo cometendo crime de injúria contra a honra do presidente mais bem avaliado da história do Brasil. Na última sexta (28), o boneco foi murchado por populares após ato no viaduto do Chá, centro de São Paulo.



Sob o título "Lula em carne e osso", o texto afirma: "Sem uniforme listrado de desenho animado, a prisão de Lula, em 1980, foi consequência de sua luta incansável para recuperar direitos sequestrados pela ditadura (1964-1985), como a independência dos sindicatos em relação ao Estado, o direito de organização e a liberdade de expressão".

O post resgata ainda o fato de que, enquanto esteve detido pelo Departamento de Ordem Política e Social, Lula, então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema, não pôde estar ao lado de sua mãe, Dona Lindu, no leito de morte.

"De volta à atividade sindical e política, Lula viria a se tornar um dos presidentes mais populares da história do Brasil. Em seus governos, o diálogo com todos os setores da sociedade e a grande participação popular possibilitaram o fortalecimento de nossa democracia. Mais de 36 milhões de pessoas saíram da pobreza e o Brasil deixou de figurar no mapa da fome da ONU", completa o texto publicado nas redes sociais.

A publicação reforça o convite do lançamento do "Memorial da Democracia", acervo histórico que está online desde às 18 horas 
de terça-feira no site do Instituto Lula."

FONTE: do portal "Vermelho"  (http://www.vermelho.org.br/noticia/269733-1). [Título e 1ª imagem acrescentados por este blog 'democracia&política'[. 

AÉCIO É O GENERAL DE CINCO ESTRELAS DA MÍDIA





Por Alexandre Tambelli

"Andei pensando, a partir da postagem, MÍDIA LÁ E CÁ: Quando quem deveria gerar noticia vira noticia, há algo estranho no ar... - do Caetano Scannavino, um pouco mais na velha mídia capitaneada pela 'Rede Globo' e o fato de esconderem das manchetes a denúncia de recebimento de propina contra Aécio Neves feita pelo Youssef na CPI da Petrobrás. Fato noticiado mundo afora. O Youssef fala um A de alguém que tenha ligação com o Governo Federal e vira manchete no Brasil, e Aécio não, por quê? Coloco [a pergunta] aqui, também.

Na Guerra de trincheiras da velha mídia Aécio Neves é general 5 estrelas.

A grande discussão sobre os meios de comunicação hegemônicos no Brasil que temos de enfrentar e de forma realística é:

Como querer imparcialidade se a velha mídia brasileira (Rede Globo, Folha, Estadão, Veja, Band & Cia.) deixou de ser um canal de comunicação de notícias de interesse da coletividade para se tornar um instrumento puro e simples de oposição ao Brasil e aos interesses da população brasileira?

Não adianta, a mídia oligopólica brasileira vive, atualmente, apenas para:

1) Defender a Ideologia de um grupo específico de agentes econômicos poderosos e que estão em toda parte do Planeta, apesar de representarem os interesses de menos de 1% da população mundial;

2) Cooptar um conjunto de políticos e agremiações políticas e um outro conjunto, o de aliados no Judiciário, que aceitem o papel de defesa de seus interesses em troca de blindagem, tratamento cordial e positivo dos seus atos administrativos e apoio eleitoral no caso dos políticos. Dá-se apoio ao político, ao partido político e ao membro do Judiciário que aceitar como idêntico os seus interesses econômicos e uma forma que deva coexistir na sociedade, o dominante e os dominados.

Com domínio de mais de 80% dos meios de comunicação que levam informação sobre o Brasil e o Mundo aos brasileiros, ela, a velha mídia, detém um poder de formar a opinião pública brasileira inimaginável.

Acaba, pois, fornecendo aos brasileiros a visão de mundo que lhe interessa e a colocar acima do papel primordial de um meio de comunicação: a notícia de interesse coletivo, a defesa intransigente de sua Ideologia econômica. Ela coloca como saudável o que interessa ao 1% como interesse dos 100% dos brasileiros. E acabamos todos enredados numa Guerra ideológica sem fim.

Pró e contra a Ideologia da velha mídia. Pró e contra os aliados dela. E não mais se busca a notícia na velha mídia, quando se aprende o que ela faz hoje de forma exclusiva: propaganda ideológica. Perdeu-se a razão de assistir, ouvir, ler a velha mídia para milhões de brasileiros.

Afinal a velha mídia não faz mais Jornalismo.

Ela não separa mais a ideologia, nem da informação mais comezinha e nem da informação que a todos beneficia. Não separa mais o interesse particular da notícia. Não respeita mais sequer a pessoa, se essa for de outra ideologia, mesmo sendo a pessoa a mais honesta pessoa do mundo. Tudo se restringe a olhar se uma pessoa está a lhe obedecer, a seguir seu manual de instrução (o da velha mídia), a ajudá-la a implementar os interesses econômicos que defende ou não.

A velha mídia não mais olha os atos das pessoas. Olha o que ela defende, qual a ideologia que ela pratica. Se a pessoa faz o que esses meios de comunicação defendem/representam/têm interesse, ela os deixará em paz, independentemente de ser desonesta e do grau de desonestidade da pessoa, que pode ser um Político, um membro do Judiciário ou um funcionário do setor administrativo de um Governo aliado.

Porém, o radicalismo é tão grande na velha mídia que não há tréguas nem para um agrupamento de políticos/administradores que a sua política econômica aumenta juros, faculta lucros homéricos a bancos, coloca um Ministro da Economia totalmente ligado, de muitas formas, à ideologia e aos interesses econômicos que a velha mídia defende. Por quê?

Porque a velha mídia só aceita a receita exata que ela possui de intervenção na sociedade: o Estado mínimo e a submissão dos governantes aos ditames do Capitalismo Financeiro Internacional sem tréguas. Tudo nela se tornou uma intransigência irrefreável.

Nela não há espaço para se pensar na existência de uma sociedade menos desigual e com equilíbrio dos lucros numa divisão mais igualitária dos rendimentos do trabalho e nem sequer de hegemonia do capitalismo industrial sobre o capitalismo financeiro.

A nossa velha mídia (metaforicamente) se tornou um conjunto diminuto de países com exército poderoso e com armamentos de ponta em guerra contra muitos outros países com exército arcaico. Está de um lado da trincheira e faz qualquer coisa para derrotar seu inimigo, porque numa guerra não há limites, há aqueles que se precisa destruir, porque são de outra cor a bandeira, a ideologia e o modelo de sociedade ideal.

Não adianta a gente ficar sonhando, nem com o apreço e respeito da velha mídia, ao menos, pelo ser humano (telespectador) que se aceita capaz de lhe dar audiência.

Ocultar a denúncia do Youssef contra o Aécio Neves é parte integrante dessa Guerra. Aécio Neves faz o que a velha mídia quer, e poupado será sempre. Aécio Neves aceita agir em prol dos interesses ideológicos e econômicos da velha mídia. Ele é um General 5 estrelas da velha mídia. E por isso, somente fora da velha mídia brasileira se pôde ver, em manchete, a notícia mais importante da semana.

Quando a velha mídia perdeu a capacidade de separar a defesa intransigente de uma ideologia econômica da prática do jornalismo, a notícia ficou em segundo plano. O centro do jornalismo se deslocou do coletivo para o particular.

No decorrer dos anos do PT no Governo Federal, foi sendo preparado o terreno para a Guerra.

A intransigência, o jornalismo parcial e a radicalização no trato da notícia favorável só aos aliados de Guerra e contrária/negativa a todos os do outro lado da trincheira se tornou a marca registrada da vela mídia.

Seus jornalistas, comentaristas e aliados adentraram em um estado de espírito doentio, que acomodou as pessoas do lado da trincheira dos meios de comunicação em uma loucura, talvez inconsciente, de só enxergar erros nos governos Lula e Dilma, porque esses dois governos estão do outro lado da trincheira.

Aécio é o General 5 estrelas da trincheira da velha mídia. Dilma e Lula generais inimigos e numa paranoia mais abstrata eles seriam: generais vermelhos, revolucionários perigosos, comunistas infiltrados no Poder central e outras paranoias mais. Devem ser derrotados, são inimigos de Guerra ideológica.

Culminou que a sociedade brasileira foi contaminada por esse vírus do jornalismo dos erros, de trincheiras ideológicas, da intransigência contra quem não está defendendo 100% dos seus interesses e até da não notícia.

Hoje, estamos divididos. Aécio Neves representou em 2014 e 2015 a redenção, a capitulação dos inimigos e a vitória da velha mídia; o PT, Lula e Dilma, os inimigos, a serem derrotados.

Hoje, as ruas representam inconscientemente a guerra de trincheiras da velha mídia contra outras ideologias que não sejam 100% iguais a dela. As manifestações atuais da extrema-direita nasceram da intransigência da velha mídia, são resultados do não jornalismo ali praticado.

O ódio doentio contra os petistas ou defensores do Governo Dilma, contra LULA e as esquerdas, também, surgiram dessa guerra de trincheiras, da doentia paranoia de querer implementar à força e tornar hegemônico o modelo econômico que a velha mídia defende.

Qualquer Ética jornalística desapareceu, narrativas falseadas do Brasil surgiram aos montes, nenhuma lucidez se faz mais presente nesses meios de comunicação. É guerra e as manchetes contra o inimigo são seus principais aliados, elas precisam estar 24 horas do dia em ação! Contra o inimigo não se admitem tréguas.

Por isso, um General 5 estrelas não pode ser manchete, certo? Daria munição ao inimigo, se perderia uma batalha importante, e recuo considerável na ocupação do território inimigo. Aécio Neves poderá ser rebaixado de patente, esquecido, sendo alçado Geraldo Alckmin ao posto de General 5 estrelas, mas, nunca será abatido pelas manchetes.

O brasileiro foi escolhendo o lado na guerra de trincheiras, e participa de cada batalha: nas ruas, na Internet, no lazer, no trabalho, em casa, em qualquer lugar. E em clima pesado de comunicação/interação e atitudes, infelizmente.

O triste dessa guerra é que nunca saberemos o atual estágio de desenvolvimento do Brasil, por meio desses grupos de comunicação hegemônicos no Brasil.

Podemos dizer: o Brasil de agosto de 2015 está para ser descoberto, jornalisticamente, assim, como o Brasil de antes e depois do PT.

O jornalismo da Guerra de trincheiras é prejudicial por demais ao nosso País.

Não adianta mais querer modificar o quadro de dentro do sistema velha mídia nem de seus aliados e seguidores, porque eles se enredaram em uma realidade paralela, a da bolha maniqueísta, que descrevi outro dia e pode ser lido sobre ela neste link:
http://jornalggn.com.br/noticia/a-imprensa-e-a-bolha-maniqueista

A velha mídia está em guerra contra o Governo Federal. Não adianta mais cobrar sensatez de quem vive em Estado de Guerra. A sobrevivência dessa mídia é incerta, provavelmente, durará mais alguns anos e a sua sobrevivência se dará mantendo esta batalha interminável de jogar todos contra todos, de colocar-se ao lado de uns contra o interesse da imensa maioria.

Uma bolha resistente se vê e se fortalecerá, porém, não vamos vê-la explodir, apenas encolher-se até o último sobrevivente segurar uma já gasta vela acesa numa caverna, talvez, algum jornalista mais realista que o rei da "Rede Globo".

Veremos a bolha até tornar-se imperceptível, até um último suspiro, quando, esse último sobrevivente, sentindo-se só, vai assoprar a vela, sair da caverna e render-se, o último soldado da fronteira inimiga!

E a guerra será dada por terminada." 

FONTE: escrito por Alexandre Tambelli no "Jornal GGN"  (http://jornalggn.com.br/noticia/aecio-neves-o-general-5-estrelas-da-velha-midia-por-alexandre-tambelli).

A CRISE DOS JORNAIS E REVISTAS QUE CONSTROEM CRISES




TIRO NO PÉ

Demissões em "O Globo": a crise dos jornais que constroem crises

Por FERNANDO BRITOdo "Tijolaço"

"O 'Infoglobo' está demitindo jornalistas em número ainda não conhecido, mas que deve passar de [300], cota do último corte nas redações de 'O Globo', 'Extra' e 'Expresso', há seis meses, quando mandou para a rua 160 funcionários de diversos setores.

Segunda-feira, alguns já receberam o “bilhete azul”, entre eles o excelente Marceu Vieira, bom amigo a quem não vejo talvez há uma década, um dos mais gentis profissionais com quem convivi.

Ao ler a informação no site "Conexão Jornalismo", um dos comentários, de Cláudio Cordovil, chamou-me tristemente a atenção:

O que me parece mais triste e perverso é que 'O Globo' demandou desses profissionais que cavassem, lentamente, as covas nas quais seriam enterrados , ao defenderem e representarem uma linha editorial que contribuiu determinantemente para levar este país à recessão como profecia autocumprida.
Que possam aprender essa amarga lição para se reinventarem como seres políticos, que não vão como plácidos cordeiros para o forno crematório. A maior das reinvenções, na terra do ‘Sim, Sinhô’ , é saber dizer não. É se unir como categoria, e fugir de Sobibor, quando possível. (Nota do "Tijolaço": um campo de extermínio alemão, localizado na Polônia, onde aconteceu a única revolta relativamente bem-sucedida de prisioneiros nazistas, onde algumas centenas deles conseguiram escapar, embora a maioria tenha sido morta)

O problema é que é dificílimo fugir de Sobibor. Bons salários são emolientes de consciências. Desejo sorte aos demitidos. É que possam pensar na cova que sistematicamente cavaram a cada dia. Alfabetização política é necessária quando vamos ficando grandinhos.O que me parece mais grave é ver que no Brasil estão conseguindo destruir uma profissão altamente valorizada em países verdadeiramente desenvolvidos. Agradeçam ao Aécio, e a Joaquim Barbosa, e a Moro.

A alternativa de outras mídias, como os blogs que cresceram em audiência, mas são cada vez mais malditos, vivendo à míngua de publicidade – que jorra de cofres públicos e privados para os jornalões – não existe, porque não temos como contratar colegas que nos permitam ser maiores e melhores.

Vivemos, como se diz nas Alagoas de meus avós paternos, “da mão para a boca”.

Somos “sujos”, “vira-latas” e o pouquinho que a um ou outro se concede anunciar vira, pelas mão de quem está ou se acha bem aboletado numa grande redação, resultado de “favoritismos políticos” que merecem, até, a fúria de gente mais que bem aquinhoada de privilégios, como o Ministro Gilmar Mendes.

Ainda assim, somos solidários. E a derrocada dos grandes jornais, caindo pelo abismo que cavaram com seus pés, deixa triste quem ama o jornalismo, feito por jornalistas, ainda que controlado pelas corporações.

FONTE: escrito por FERNANDO BRITO no seu blog "Tijolaço"  (http://tijolaco.com.br/blog/?p=29350).

COMPLEMENTAÇÃO 1




"O Globo" entra na disputa com "Veja" sobre quem vai fechar primeiro.


"O site "propmark" noticia que os jornais "O Globo" e "Extra" (versão mais popular e menos reacionária das Organizações Globo voltado para o Rio de Janeiro) demitirão entre 300 e 400 funcionários das áreas de jornalismo e de comercialização. "O Globo" foi o mais atingido.

Nota-se que esses jornais estão cortando em áreas vitais para a sobrevivência da empresa, na produção de noticiário e na área de vendas. É o rumo para fechar as portas, tomando o mesmo caminho da revista "Veja".

Motivo? Queda no faturamento publicitário, segundo o site "propmark". Os jornais não estão faturando o suficiente para cobrir as contas, estão acumulando prejuízos e não há chance de recuperação.

De tanto fazer propaganda terrorista para haver crise [na esperança de com ela causar insatisfação contra o governo Dilma e assim facilitar a volta da direita (isto é, "do mercado") ao poder], de tanto provocar azia e depressão em seus leitores, de tanto mentir ou omitir sobre a verdadeira conjuntura mundial e nacional, de tanto fazer sensacionalismo e apostar no 
demotucano "quanto pior, melhor", de tanto semear ódio, golpismo e desesperança, a "Globo" está colhendo o que plantou: crise.

Bem feito para os donos e para os demitidos que faziam o trabalho sujo com prazer para os patrões.

Só é lamentável o desemprego de quem trabalhava lá a contragosto, por falta de opção. Mas é o preço de não lutar pela democratização das comunicações. Se houvesse mais diversidade, haveria mais opções de emprego para todos.

Nota-se também que o jornalismo das "Organizações Globo" não está conseguindo sobreviver e se adaptar à era da internet. Mesmo que a crise econômica passe, a "Globo" não se recupera e continuará perdendo leitores e audiência para a internet."

FONTE da complementação 1: do blog "Os amigos do Presidente Lula" (http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2015/09/o-globo-entra-na-disputa-com-veja-sobre.html). [Trecho entre colchetes acrescentado por este blog 'democracia&política']


COMPLEMENTAÇÃO 2



CRISE DA MÍDIA ATINGE "O GLOBO": 400 DEMISSÕES


"Cortes nos jornais 'O Globo' e 'Extra', do Rio de Janeiro, devem atingir de 300 a 400 pessoas, principalmente no jornalismo e no comercial, e devem ser anunciados nesta terça-feira 1º, segundo o site 'propmark'; áreas de circulação e marketing dos dois jornais devem se unir, enquanto a área digital do 'Extra' pode ser reduzida à metade. Deixou ontem o 'Globo' o jornalista Pedro Dória, editor executivo de plataformas digitais. Algumas editorias como 'Esportes', 'TV' e parte de 'Cidades' poderão ser fundidas. No sábado 29, o jornal comandado por João Roberto Marinho destacava em sua manchete principal a recessão da economia.

Do "Brasil 247"

A crise da mídia impressa atingiu a 'Infoglobo' e deve resultar em demissões de até 400 funcionários nos jornais 'O Globo' e 'Extra', do Rio de Janeiro, de acordo com fontes do portal propmark.

A empresa pertence às 'Organizações Globo' e é responsável pela publicação dos jornais do grupo. Os cortes anunciados na terça-feira 1º atingem principalmente os departamentos de jornalismo e comercial.

Na segunda-feira 31, deixou o 'Globo' o jornalista Pedro Dória, que havia assumido em março de 2011 o cargo de editor executivo de plataformas digitais. Também deixaram o veículo o colunista George Vidor (economia), Marceu Vieira (editor da coluna do Anselmo Góes), Luciana Froes (gastronomia) e Pedro Motta Gueiros (esportes). Dória e Luciana seguem como colunistas.

Outras mudanças deverão ser feitas, como a fusão de algumas editorias – a exemplo de Esportes, TV e parte de Cidades. Além disso, as áreas de circulação e marketing dos dois jornais devem se unir, enquanto a área digital do jornal 'Extra' pode ser reduzida pela metade.

No sábado 29, o 'Globo', uma das vozes da imprensa mais críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff e ao PT, destacava com letras garrafais, na manchete principal, a recessão da economia brasileira."

FONTE da complementação 2: do portal "Brasil 247"  (http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/195109/Crise-da-m%C3%ADdia-atinge-O-Globo-400-demiss%C3%B5es.htm).

LULA É VÍTIMA DA CONCENTRAÇÃO DA MÍDIA




LULA SE VÊ VÍTIMA DA CONCENTRAÇÃO DA MÍDIA

"Quando você vê uma notícia em vários lugares, tem certeza de que não são todos o mesmo?", questiona o ex-presidente Lula, em sua página no Facebook. A nota se refere ao modo como a denúncia de "Época", sobre a construção do Porto de Mariel, em Cuba, foi repercutida em outros programas e veículos da "Globo", como "Jornal Nacional", jornal "O Globo", "CBN" etc. Nos Estados Unidos, no entanto, é proibida a propriedade cruzada de meios de comunicação, justamente para impedir o pensamento único e o monopólio da informação. Agora, um professor da Universidade de Brasília, Venício Lima, pretende usar o ranking da "Forbes" para propor novamente a democratização da mídia. Na lista, a família Marinho, das "Organizações Globo", aparece com patrimônio de R$ 23,8 bilhões, seguida, de longe, diga-se, por Edir Macedo ("Record"), com R$ 3,02 bilhões; família Civita ("Grupo Abril"), com R$ 2,18 bilhões; e Silvio Santos (SBT), com R$ 2,01 bilhões. “Não seriam esses dados indicadores do poder desmesurado que os grupos de mídia desfrutam no país?”, questiona Venício.

Do "Brasil 247"

Num texto postado em sua página no Facebook, o ex-presidente Lula se colocou como vítima da excessiva concentração da mídia no Brasil. "Quando você vê uma notícia em vários lugares, tem certeza de que não são todos o mesmo?", questionou Lula, em sua página no Facebook, ao se referir ao modo como a denúncia de Época, sobre a construção do Porto de Mariel, em Cuba, foi repercutida em outros programas e veículos da Globo, como Jornal Nacional, jornal O Globo e CBN, por exemplo.

Em paralelo, um professor da Universidade de Brasília, Venício Lima, pretende usar o ranking de bilionários da revista Forbes, para defender a democratização dos meios de comunicação.

Leia, abaixo, nota do Instituto Lula:

"Organizações Globo inflam pretensa denúncia contra Lula

Na sexta-feira, a revista Época publicou matéria de capa baseada em documentos diplomáticos vazados ilegalmente sobre viagens do ex-presidente Lula a Cuba. Os documentos não revelam nenhuma ilegalidade, imoralidade ou qualquer coisa do tipo. É natural que presidentes, ex-presidentes e diplomatas de qualquer país relevante no cenário internacional defendam os interesses nacionais no exterior - o que inclui, obviamente, as empresas. O Itamaraty tem uma subsecretaria dedicada à promoção comercial do Brasil no exterior.

Mas a revista Época, com má-fé e ignorância em relações internacionais já constatada anteriormente pelo Instituto Lula (http://www.institutolula.org/documentos-secretos-revelam-ignorancia-e-ma-fe-da-revista-epoca ), detonou um processo de “repercussão” nos vários veículos de comunicação das Organizações Globo (rádio, portal, canal de notícias 24 horas e televisão aberta).

Entre as repercussões, a matéria do jornal O Globo no domingo distorce e manipula a nota do Instituto Lula (que pode ser lida na sua integralidade a partir do link acima). Em nenhum momento a nota disse, como escreve o jornal, que “considera normal o fato de o ex-presidente Lula fazer lobby em favor da Odebrecht”. Repetimos: o ex-presidente não faz lobby. O ex-presidente defende interesses brasileiros no exterior e não recebe ou cobra por isso.

A matéria de domingo de O Globo também traz a suposta revelação de que Lula teria agido por interesse da Odebrecht em Portugal. O texto não diz que essa matéria foi desmentida no dia seguinte pelo primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, em negativa que foi dada sem destaque pelo jornal. Mais que isso. O jornal JAMAIS publicou a declaração do embaixador brasileiro em Lisboa, Mário Vilalva, que teria dito à Rádio e Televisão de Portugal que foi ele quem pediu para citar empresas brasileiras com interesse em Portugal. Segundo o embaixador, Lula e Coelho “trocaram impressões sobre o comércio bilateral”, nas conversas que tiveram. “Nesse contexto é que as empresas são citadas. Isso foi o que o ex-presidente Lula fez, inclusive por sugestão minha, que citasse as empresas que têm interesse em Portugal”, disse Vilalva. A declaração foi reproduzida no Brasil apenas pelo jornal de negócios Valor Econômico (que é apenas 50% das Organizações Globo (os outros 50% são da Folha de S. Paulo). O Globo sonegou essa informação aos seus leitores. Essa é apenas uma das mentiras publicadas pelo O Globo esse ano contra Lula: http://www.institutolula.org/as-cinco-vezes-em-que-o-globo-tentou-enganar-seu-leitor-em-2015 . O ex-presidente já entrou na justiça pela mentira do “tríplex no Guarujá”: http://www.institutolula.org/lula-entra-com-acao-contra-o-globo-por-conta-de-mentiras-sobre-triplex-no-guaruja."


Leia, ainda, reportagem sobre a iniciativa do professor Venício Lima, publicada na "Rede Brasil Atual":

Professor da UnB defende regulamentação da mídia diante de ranking da Forbes

"Famílias que monopolizam as comunicações no Brasil são destaque em relação dos mais ricos do mundo; para Venício Lima, país precisa regulamentar a Constituição Federal, que proíbe monopólios no setor.

São Paulo – O destaque dos empresários de comunicação brasileiros no ranking da revista Forbes, cujo setor é o oitavo mais representativo entre outras 12 áreas de atividade econômica, é mais uma oportunidade para que o país pense em regulamentar o parágrafo 5º do artigo 220 da Constituição de 1988, que afirma que “os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio”.

Essa é a opinião de jornalista, sociólogo e professor da Universidade de Brasília (UnB) Venício Lima, que considera “impressionante” o destaque dos empresários de comunicação, sobretudo em um momento em que o discurso sobre a crise domina os noticiários.

Na lista, a família Marinho, das Organizações Globo, aparece com patrimônio de R$ 23,8 bilhões, seguida, de longe, diga-se, por Edir Macedo (Record), com R$ 3,02 bilhões; família Civita (Grupo Abril), com R$ 2,18 bilhões; e Silvio Santos (SBT), com R$ 2,01 bilhões.

Não seriam esses dados indicadores do poder desmesurado que os grupos de mídia desfrutam no país?”, pergunta o professor."

FONTE: do portal "Brasil 247"   (http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/195073/Lula-se-v%C3%AA-v%C3%ADtima-da-concentra%C3%A7%C3%A3o-da-m%C3%ADdia.htm).

OS BILIONÁRIOS DA MÍDIA BRASILEIRA



reprodução


Os bilionários da mídia brasileira

Por Altamiro Borges

"A revista [norte-americana] Forbes-Brasil divulgou na sexta-feira (28) a lista dos bilionários brasileiros de 2015. Uma verdadeira aberração num país com tanta disparidade social. O novo ranking conta com 160 ricaços. Juntos, eles somam um patrimônio de R$ 806,66 bilhões - o equivalente a quase 15% do PIB do país.

Segundo o site da "Veja", que adora paparicar os endinheirados, "a linha de frente dos brasileiros mais ricos foi novamente dominada pelo trio composto por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, que praticamente duplicaram suas fortunas desde o ano passado - em boa parte, na carona da alta do dólar, já que a gorda fatia de seus investimentos está fora do país".

A revista do esgoto realça ainda que "entre os paulistas que aparecem nas primeiras vinte colocações da lista estão Eduardo Saverin, do Facebook, em oitavo, Abilio Diniz, que recentemente comprou uma rede de padarias com Jorge Lemann, em décimo, Walter Faria, dono da cervejaria Petrópolis, em décimo primeiro, e José Luís Cutrale, do ramo de frutas em décimo quinto".

Ela evita, porém, dar destaque à fortuna acumulada pelos barões da mídia - que seguem demitindo milhares de profissionais, precarizando as condições de trabalho e pagando péssimos salários. Talvez tema atiçar a consciência crítica da categoria - na qual ainda existem muitos jornalistas que chamam o patrão de companheiro.

Já o site "Meio&Mensagem", especializado no setor, botou o dedo na ferida. Segundo matéria postada na segunda-feira (31), os barões da mídia seguem acumulando fortunas - apesar do discurso cínico sobre a crise econômica. "O setor de mídia brasileiro é o oitavo mais representativo em um ranking de 13 setores liderado por indústria, bancos e alimentos, divulgado anualmente pela revista Forbes".

"No setor de comunicação, são oito empresários de quatro companhias distintas. Na quinta posição geral, está a família Marinho, das 'Organizações Globo', representada por João Roberto Marinho, José Roberto Marinho e Roberto Irineu Marinho que, individualmente, possuem R$ 23,8 bilhões. Da família Marinho para o próximo da lista a diferença é considerável: Edir Macedo, da 'Record', está na 74º posição com patrimônio de R$ 3,02 bilhões seguido pela família Civita, do 'Grupo Abril', e de Sílvio Santos, do SBT".

Veja os representantes da mídia entre os bilionários brasileiros:

João Roberto Marinho - Patrimônio: R$ 23,80 bilhões
José Roberto Marinho - Patrimônio: R$ 23,80 bilhões
Roberto Irineu Marinho - Patrimônio: R$ 23,80 bilhões
Empresa: Organizações Globo - 5º posição no ranking geral do Brasil

Edir Macedo - Patrimônio: R$ 3,02 bilhões
Empresa: Rede Record - 74º posição no ranking geral do Brasil

Giancarlo Civita - Patrimônio: R$ 2,18 bilhões
Roberta Anamaria Civita - Patrimônio: R$ 2,18 bilhões
Victor Civita Neto - Patrimônio: R$ 2,18 bilhões
Empresa: Grupo Abril - 88º posição no ranking geral do Brasil

Silvio Santos - Patrimônio: R$ 2,01 bilhões
Empresa: SBT - 100º posição no ranking geral do Brasil

Confira também os dez primeiros colocados da lista da revista Forbes:

1º) Jorge Paulo Lemann - R$ 83,70 bilhões
2º) Joseph Safra - R$ 52,90 bilhões
3º) Marcel Herrmann Telles - R$ 42,26 bilhões
4º) Carlos Alberto Sicupira - R$ 36,93 bilhões
5º) João Roberto Marinho - R$ 23,80 bilhões
6º) José Roberto Marinho - R$ 23,80 bilhões
7º) Roberto Irineu Marinho - R$ 23,80 bilhões
8º) Eduardo Saverin R$ 17,53 bilhões
9º) Marcelo Odebrecht e família - R$ 13,10 bilhões
10º) Abilio dos Santos Diniz - R$ 12,83 bilhões."

FONTE: escrito pelo jornalista Altamiro Borges em seu blog   (http://altamiroborges.blogspot.com.br/2015/08/os-bilionarios-da-midia-brasileira.html).

DÉFICIT PÚBLICO BRASILEIRO É MENOR QUE OS DOS PAÍSES DA EUROPA




Déficit brasileiro é o menor da Europa

"O problema é o lombo: e o Levy só bate no lombo do trabalhador​.

O Governo Dilma enviou ao Congresso uma proposta orçamentária para 2015 com a previsão de:

- crescimento do PIB de 0,2% em 206 e 1,7% em 2017; 2% em 2018; e 2,5% em 2019;
- inflação de 5,4% em 2016 e 4,5% até 2019;
- salário mínimo de R$ 865,50 em 2016 e R4 1.020 em 2019;
- e déficit de 0,5% do PiB.

Formidável, diria o amigo navegante.

Se levar em conta as atribulações correntes e o panorama no resto do mundo, trata-se de uma perceptiva promissora, ainda que não brilhante.

Vamos falar um pouco de déficit publico, que levou o "Ataulpho Merval" (ver no ABC do C Af) – que não se sabe ainda se escapou da grave crise que vai demitir 400 no Globo – a decidir que a Dilma se debate com a própria sobrevivência.

Ou um suposto “economista de banco”, que está na capa do PiG cheiroso (também no ABC do C Af): um déficit dessa magnitude (0,5% do PIB) significa dizer “eu desisti, eu não tenho condições de governar”.

A desgraça do provincianismo é supor que está na Metrópole, quando a Metrópole mudou de lugar – ou de posição e não avisou ao provinciano.

Ou, transformar uma forma de ver a realidade – o neolibelismo (no ABC do C Af) alucinado – na própria realidade.

Vamos voltar ao déficit público:

O déficit publico da Zona do Euro deste ano será de 2,3%.
No ano que vem, se tudo der certo, 1,7% do PIB.

Portanto, o do Brasil é um colosso !

O da Espanha é de 5,8% ! E o Governo governa.
O da Alemanha é de 0,60% e a Merkel governa não só a Alemanha como a Europa e a Grécia !
O déficit do Reino Unido é de 5,2%.
Da França, 4%.
O da Itália, 3%.
O de Portugal, 4,5%.


Quá, quá, quá !

E o "Ataulpho" acha que a Dilma vai cair !

Quá, quá, quá !

Como diz o Paul Krugman – cuja sapiência não chega aos pés da mais notável pensadora neolibelês do Brasil, a Urubóloga – , duas vezes por semana, no "New York Times": os déficits são bem-vindos quando a atividade econômica cai.

E ele não faz mais do que repetir o Lord Keynes, que a Urubóloga se recusa a ler ! (Assim como ela não leu ainda o Piketty !)

Como lembra o Fernando Brito [do blog "Tijolaço"], o déficit dos Estados Unidos é de 2,4% do PIB e lá batalha ideológica é muito parecida com a daqui – os Republicanos da Treva Absoluta querem zerar o déficit e ferrar os pobres – com o corte dos programas sociais – e os (alguns) Democratas, com o apoio do Krugman, defendem o déficit e o aumento dos impostos sobre os ricos.

Engraçado, a batalha da Luz contra a Treva é bihemisférica …

O déficit da Dilma – uma ninharia, se fosse na Europapreserva a Adutora do Pajeú, o Minha Casa Minha Vida, o Bolsa e a Ferrovia Bi-Oceânica, que a Urubóloga disse que não passa de uma miragem.

Mas, como lembra o Brito, o problema é tipo de ajuste do Levy.

Um ajuste com juros na estratosfera.

E outro ponto: o aumento de impostos.

Foi um desastre ferroviário, como diz o Mino, o cancelamento da CPMF, o que ainda teve o defeito de tirar a escada do Lula.

Esse ajuste seria muito mais suave se houvesse aumento de impostos.

O PiG e seus economistas de banco – com o (vice) Presidente Temer na comissão de frente – fazem crer que a CPMF seria derrotada no Congresso.

Caro amigo navegante, converse, ao pé do ouvido, com qualquer governador.

Com exceção do Alckmin. O candidato tucano derrotado em 2018 arde na seca da Cantareira que ele próprio criou para ganhar a eleição – a maior de todas as pedaladas de 2014.

(Informa o jornal "Agora" que “Zona Leste da cidade de São Paulo só recebe água de madrugada”. E “Sabesp antecipa corte de água das casas para o período da manhã” ! E ainda querem governar o Brasil ! No Nordeste, como demonstrou o Jackson Carvalho, não tem mais seca. Na Chuíça tem. )

Ou em algum escaninho da Secretaria da Justiça, em busca de alguma prova, umazinha que for, para prender um unzinho dos policiais que praticaram a chacina que matou 19 pessoasem três horas !

Tira o Alckmin do caminho.

Converse ao pé do ouvido com qualquer outro.

E pergunte se ele não diria a seus deputados para aprovar a CPMF !

(Se o General Assis Oliva (ver no ABC do C Af) deixar, é claro !)

Se déficit matasse, amigo navegante, a Europa e os Estados Unidos seriam governados pelos economistas do HSBC !

E suas marionetes no PiG.

O problema não é o déficit.

É como torná-lo menos injusto.

Porque até agora o Levy só bateu no lombo do trabalhador.

Levy, lê o Piketty, Levy !"

FONTE: escrito pelo jornalista Paulo Henrique Amorim em seu portal "Conversa Afiada"  (http://www.conversaafiada.com.br/economia/2015/09/01/deficit-brasileiro-e-o-menor-da-europa/).